terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Início e fim

Não adianta segurar a noite.
Ela vai desaparecendo,
se escondendo por cantos e recantos
do quarto, onde o sol não chega.

Além dos ruídos do dia,
a luz teima em redesenhar cada um dos móveis.
Reflete nos espelhos
e brinca com a poeira em suspensão
que não sabe se vai ao teto
ou se acomoda no chão.

A vida reinicia.
Me escondo sob o travesseiro,
mas não há mais chance:
é preciso seguir o sol
e entrar na fila do dia que se espicha
até que a noite retorne.
Postar um comentário