sábado, 19 de novembro de 2011

Uma nova aventura

Da série, "Crônica de uma saudade", que pretendo apresentar todos os sábados:


Era apenas uma bicicleta velha encostada num poste, em frente a uma ferragem, deixada por um senhor moreno, já idoso. O garoto, calças curtas, boné jogado de lado, mãos nos bolsos, aproximou-se furtivamente. Espiou para todos os lados possíveis e, não vendo ninguém, tirou-a do lugar, montou e saiu.

Tive vontade de gritar: “ladrão”, mas um sexto sentido me disse para não fazê-lo. Olhar feliz, rosto empinado para o sol, jeito matreiro e realizado, meio atrapalhado pelo peso, custou a se acostumar. Mas, depois, foi só correr para o abraço.

Da minha janela, pude vê-lo circular em torno da praça, em alguns momentos com os braços jogados para o céu, puro prazer e satisfação. Completou duas voltas, sem que ninguém o percebesse. Então, voltou ao lugar de partida e, no mesmo poste, deixou a parceira de alguns minutos.

Saiu andando pela rua, novamente com as mãos nos bolsos, mas agora não estava mais tenso como quando chegou. Havia uma aura de felicidade e um jeito de menino realizado, capaz de concretizar um sonho e de alimentar a esperança de que, amanhã, de novo, a bicicleta estivesse no mesmo lugar, para uma nova aventura.
Postar um comentário