sábado, 26 de novembro de 2011

O pão com torresmo


Da série "Crônica de uma saudade":
A senhora mostrou dificuldade de continuar andando. O menino percebeu que havia parado e dirigiu-se a ela, boné na mão, jeito sem jeito de falar com um adulto:
- A senhora quer ajuda?
Olhar desconfiado, frio e inseguro:
- Não precisa, minha casa é na outra quadra.
Distância segura, mesmo jeito de quem apenas quer ajudar:
- Deixe que eu a ajude.
- Não vais querer me ajudar, não tenho dinheiro pra te dar.
O olhar foi de sorrateiro a brejeiro:
- Não tem importância.
Andaram juntos por uma quadra, ele carregando a bolsa com as duas mãos. Na porta, a mulher olhou para o menino já com um jeito diferente.
- Realmente, não tenho dinheiro, mas espera aqui.
Depois de algum tempo, voltou para a calçada e entregou algo embrulhado num papel toalha. Foi a vez do garoto olhar desconfiado:
- O que é isto?
Um sorriso aberto iluminando cada uma das dobras de um rosto marcado pelo tempo:
- Pão, pão com torresminho. Fiz hoje pela manhã, tá fresquinho.
O garoto agradeceu e foi em direção da praça. Ali sentou e descobriu um dos lados do pacote, deixando aparecer uma beirada de pão com uma casquinha torrada e um miolo absolutamente tenro.
Mordeu com o respeito de quem pratica um ritual religioso. Olhou em direção à casa da idosa, que, da porta, sorriu e acenou em retribuição. Fizera o que sua mãe sempre lhe dissera que fizesse – ajudar aos outros – e ainda ganhara aquela maravilha! Fechou os olhos e suspirou satisfeito.
Postar um comentário