segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Marketing de segurança

Os bolsões de miséria que se tornaram reféns da bandidagem pelo Brasil não são tão incomuns quanto se idealiza imaginar. A retomada da Rochinha – no Rio – é um exemplo do que já poderia ter acontecido e não aconteceu, pela omissão das autoridades públicas. No entanto, o momento, preparatório a dois eventos de nível internacional – Copa do Mundo e Olimpíadas – desencadeou a união de diversas forças policiais para fazerem o que já poderiam e deveriam ter feito.
Em todas as grandes e médias cidades existem problemas semelhantes, com a restrição da entrada de policiamento em determinados horários. A ocupação, com a retomada da segurança, é um dever de quem faz – polícias em todas as instâncias – e um direito daqueles que vivem aos sobressaltos, por não saber se penam mais nas mãos dos bandidos ou da polícia. Imagens de congraçamento entre população e força militar podem ser interessantes para marketing, mas não correspondem à realidade: há um longo caminho a ser percorrido para recuperar um histórico de omissão, ausência e abuso de autoridade, onde vileiros e negros são considerados, em princípio, possíveis delinquentes, até que se prove em contrário.
Uma “autoridade” ouviu uma pesquisa de que mais de 90% da população se sentia sem segurança, contra menos de 10% que se afirmavam seguras. Resolveu dizer uma pérola: “segurança é uma sensação pessoal”. Impressionante! Toda uma quadra que coloca grades, sobrepostas de arame farpado e mais cerca eletrificada, está tendo uma sensação pessoal de segurança!? Os sociólogos têm sido muito claros em afirmar que não basta levar a segurança às diversas comunidades periféricas. Depois disto, é preciso que se confirme outros direitos: saúde, educação, lazer...
Ninguém é contra que se comece a fazer a preparação para eventos esportivos por um “marketing da segurança”. Mas quem sabe estes investimentos possam ser preparados de tal forma que os outros direitos também possam ser respeitado. Mais do que um discurso, a população possa usufruir das sobras destes investimentos tendo um mínimo necessário para retomar a sua dignidade.
Postar um comentário