domingo, 22 de julho de 2012

Envelhecer

Teu olhar, sempre intenso, hoje está apagado.
Mesmo teu sorriso é cansado, judiado pelo tempo.
Tomar tuas mãos entre as minhas é um
pouco do calor de vida que teimo em procurar em ti.

O tempo deixa, para além das marcas,
sulcos profundos em nossas relações.
Amadurecemos mais na esperança de poder,
a cada dia, renovar a cumplicidade pela vida.

Embora tua inteligência se mantenha ativa,
o corpo já não obedece a vida que te propusestes.
O infinito tenta se libertar do finito.
Mas não libera nossos laços, que se mantêm
mesmo quando apenas um fio de vida te prende a nós.
Postar um comentário