domingo, 21 de outubro de 2012

O destino e a saudade

Puxo pelo fio do destino.
Em muitos espaços, encontro nós,
Que machucam, impõem sinais,
Não deixam esquecer momentos
Vividos para a felicidade ou tristeza.

Traz-me junto com suas marcas
Um espelho judiado pelo tempo,
Onde as imagens são imprecisas,
No desgaste da ausência.

Crianças que brincam e
Deixam seus risos ecoarem pela eternidade;
Jovens que sorriem e, nos quais,
Ainda não há os sinais do envelhecimento;
Idosos que são a marca mais próxima da eternidade.

Duas lágrimas brincam em meus olhos:
Já não tenho certeza das presenças e ausências.
Cada um de meus sentidos anseia por quem
Passou algum tempo ao meu lado e partiu:
Seguiu seu caminho, deixou-me a saudade.
Postar um comentário