domingo, 20 de maio de 2012

O perfume que fica


Da série de lembranças de crônicas já publicadas.
Observava a chuva que caia, quando apareceste em meio às árvores. Esperei-te na varanda, já com uma toalha na mão. Não tinhas qualquer proteção e os pingos escorriam por teus cabelos, por teu rosto, grudavam tua roupa em teu corpo. E, mesmo assim, sorrias.
Ajudando a enxugar teus cabelos e teu rosto, senti teu perfume. Não. Não era teu perfume. Mas o perfume que as acácias exalavam e que havia ficado preso em teu corpo.
Sempre tive especial carinho pela alameda de acácias por onde vieste. E sempre achei estranho que as flores, que eram capazes de perfumar a distância entre a estrada e a casa, também desaparecia quando se cortava um de seus galhos.
Mas agora, ali estavas, com o perfume das acácias e não sendo capaz de dar-te conta de que estavas absolutamente deslumbrante.
Desde então, nunca mais consegui dissociar uma coisa da outra. Ao mesmo tempo em que espero pela Primavera, para que as acácias voltem a florir, também fico triste porque acabam lembrando de ti e do perfume que impregnou teu corpo.
Por onde andas, agora, existem acácias? Lembrar-te-ás de que um dia, fugindo da chuva, buscaste abrigo em minha casa e deixaste uma marca incapaz de ser esquecida?
Creio que não. Mas, mesmo assim, para mim, bastam as acácias. E quando, naqueles dias em que o vento sussurra nomes de encontro à noite, eu tenho certeza de que o perfume também se intensifica e fico com dificuldade de discernir quem te amou mais: O perfume que possuiu teu corpo, ou quem apenas suspirou por um minuto de atenção de tua parte.
Postar um comentário