domingo, 15 de maio de 2011

O desejo longe de minhas mãos


Em meus sonhos,
sempre vens radiante,
cabelos embalados
pela brisa,
dançando ao murmúrio do mar.

A leveza de teu sorriso
cingia-se
com um adorno de flores
e o trilar dos pássaros.

Era a perfeição.

Teu corpo envolvido
por roupas de luz,
que farfalhavam no prazer
de se aconchegar
aos teus seios e por eles serem afastados
com seu movimento.

Mas, ao acordar,
sempre resta
a sensação de que
as mãos, em ânsia,
não podem alcançar-te.
E aconchegar-te ao meu corpo.

O momento em que a realidade
Fica distante da perfeição.
Postar um comentário