terça-feira, 28 de maio de 2013

Paulo – o homem que expandiu o Cristianismo

Paulo não foi um seguidor presencial de Jesus Cristo. Passou a segui-lo anos mais tarde, de oito a dez anos após a sua crucificação. Paulo não andou com Jesus, não ouviu suas palavras, não contemplou seus gestos, não aprendeu lições diretamente com ele, mas foi um dos seus maiores propagadores.
Características negativas da personalidade de Paulo - Paulo era um jovem radical, extremamente agressivo e discriminador. Foi o mais culto dos discípulos; mas, antes de tornar-se cristão, foi também o mais arrogante e violento. Suas verdades eram absolutas. Para ele, o mundo era do tamanho dos seus preconceitos. Sua capacidade de excluir pessoas que pensavam contrariamente às suas tradições era impressionante.
Ele não se contentou em ter um discurso ferrenho contra os seguidores de Jesus de Nazaré. Para ele, eles eram uma praga que devia ser extirpada da sociedade. Se houvesse metralhadora na sua época, eles seriam extirpados a bala, mas como não havia, usavam as pedras. Era um fim mais lento e doloroso.
Para Paulo, Jesus não passava de um herético, de um enganador, de um corpo estranho em Israel. O que impressiona em sua personalidade era que nenhum cristão o havia ferido diretamente, mas ele se achava o mais lesado dos homens. Tinha aversão pelas pessoas sem conhecê-las, pelo simples fato de pensarem contrariamente às ideias da sua religião.
Levou os seguidores de Jesus à morte e viu neles o desespero, mas isso não lhe tocou a emoção. Os pais clamavam por misericórdia, mas ele permanecia insensível. As mães suplicavam piedade, pois tinham seus filhos para criar, mas ele as encerrava em prisões. Paulo, querendo seguir a tradição dos judeus, se tornara insensível.
A cena de Estevão foi chocante. Ele ouviu esse amável e inteligente homem discursar. Estevão brilhou nas suas ideias. Mas provocou a ira dos judeus. Eles pegaram pedras e o lincharam publicamente. Paulo assistiu à cena e consentiu na sua morte. Parecia destituído de sentimentos. As primeiras pedras esfacelaram seu corpo. Romperam músculos e artérias. Produziram hemorragias e uma dor indecifrável. Estevão agonizava lentamente. Paulo permanecia insensível, sua emoção estava tão petrificada como a dos homens mais agressivos do hoje conflito palestino-judeu.
Era o mais hábil intelectualmente e o mais violento socialmente. Se fosse um líder da sua nação, poderia causar graves problemas sociais, pois não toleraria seus contrários, os dizimaria. É simplesmente incrível como ele mudou.
Paulo disse na carta aos efésios que se considerava o menor de todos os cristãos.
Suas palavras não são apenas o reflexo da sua humildade, mas revelam o clamor das suas lembranças. Ele não se esqueceu do que fez. Embora tivesse superado seus conflitos, eles geraram cicatrizes inesquecíveis. Essas cicatrizes estão contidas claras ou nas entrelinhas de todas as suas cartas. As lágrimas e as feridas que provocou jamais se apagaram dos solos da sua memória.
Características positivas da personalidade de Paulo - Era uma pessoa de um conhecimento invejável. Sabia falar o hebraico, o grego e o aramaico. Sua coragem, perspicácia e capacidade de argumentação expressas em seus escritos são espantosas. Ele devia ter os traços dessas características desde a sua adolescência. Nos tempos atuais, ele conseguiria assumir o controle de qualquer equipe de políticos e intelectuais.
Paulo era um jovem empreendedor. Aproveitava as oportunidades para cumprir suas metas. Era um excelente orador. Embora fosse exclusivista e preconceituoso, havia uma inquietação dentro do seu ser. Ele buscava respostas.
Apesar de cometer atitudes inumanas, era fiel à sua consciência. Não tinha receio de expressar seus pensamentos em público. Corria risco de morrer, mas não se calava. Ninguém no mundo o convenceria a mudar as suas convicções, a não ser a sua própria consciência. Por isso, ele se tornou um discípulo de modo totalmente diferente dos demais. Aquilo em que ele acreditava controlava o seu ser. Foi drástico nas perseguições, mas quando aprendeu a amar o mestre da vida, ninguém se entregou tanto por esta causa. Fonte: Augusto Cury.
Postar um comentário