domingo, 11 de março de 2012

Aprendendo a perder


Do meu livro Remendos e Arranjos.
Meu pai podou um pé de manjericão, que sobrevivia, garboso, no fundo do pátio. Como num lamento dolorido, seu perfume expandiu-se, entrou pela sacada e veio morrer ao meu lado, numa súplica angustiada pela vida.
Tenho dificuldade de entender o processo da natureza em que, ao mesmo tempo, lamenta uma poda e, com a mesma, se renova e se prepara para novos talos, novas folhas, novas flores.
O perfume, que encantou muitas das minhas noites, é o mesmo que, agora, agride, incapaz (ou serei eu que não o entendo?) de aceitar podar uma parte de si mesmo.
Sinto-me semelhante ao manjericão, quando me apego a cada uma das coisas que construí, cada um dos seres que amei, cada espaço da vida que conquistei.
A incapacidade de aceitar a poda atrofia a capacidade regenerativa de, a cada perda, buscar o novo, renascer do sofrimento.
Sofre-se mais quando a vida nos fecha um caminho, nos priva da convivência de alguém, ou quando um arbusto perde um galho?
As perdas acabam deixando feridas. Mesmo cicatrizadas, detém a história de um instante insubstituível.
São as mesmas perdas que nos levam a sorrir, com o passar do tempo, de forma diferente. Sorrimos, com o peso de quem já carrega seus mortos “no lado esquerdo do peito”, como dizia Mário Quintana. Estamos mais cansados, e precisamos aceitar que, a não podar, atrofiam-se os galhos e o fim chega mais cedo.
Postar um comentário