segunda-feira, 15 de maio de 2017

A luz no final do túnel

As discussões a respeito do que é necessário para mudar a situação brasileira afunila para um pensamento: educação. Parece simples, mas não é. Bastariam recursos em grande escala? Um início, mas não: a educação é capaz de abrir leques que, se não forem enfrentados, novamente caracteriza desperdício do dinheiro público. Um deles, com certeza é aquele em que o cidadão forma princípios éticos e morais.

Migrantes que vieram para o Brasil dizem que seus países eram pobres - até miseráveis - mas não enfrentavam a violência existente aqui, hoje, um componente psicológico do caráter brasileiro. Crescente número aceita a lei lhe sendo favorável e, na prática, acredita que a violência é um jeito de conseguir alguma coisa ou, até, de fazer "justiça". A moral e a ética podem até ser relativizadas. Exemplos não faltam.
Pessoa parecendo do interior. Pede informação, Conduz a vítima até próximo de um carro. Em pouco tempo é cercado, empurrado para dentro do veículo. Recebe choques, desmaia. Acorda, um telefonema de mulher o chama pelo nome e diz que o grupo controla sua família. Deve retirar o que tem no banco. Vai até uma agência, atordoado, retira suas economias, dão algumas voltas, é deixado à beira de uma rua.
O repórter passou pela rua depois de uma manifestação pela greve do dia 28, quando o espaço ficou ocupada por galhos de árvores e pneus queimados. O inusitado, a população mesma estava limpando, apagando o fogo e retirando os entulhos. Na volta, a surpresa: os mesmos "cidadãos", viraram badidos: cobravam um, dois e três reais de "pedágio" para motos, carros e veículos maiores passarem pela alternativa a uma rodovia.
Beira de estrada, cena rotineira: carro estragado. Sempre tem um bom samaritano que para a fim de prestar auxílio. Recentemente, a surpresa: na grande Porto Alegre, já no meio da noite, ao voltar para o interior, a cena merece a mesma atenção, com uma diferença: os incautos que param para prestar socorro são assaltados. Ficam no local com um carro que foi roubado de uma vítima anterior.
Ficção? Não. Situações que já nem frequentam as páginas de polícia porque as pessoas não acreditam em solução ou tem medo de, ao enfrentar o crime, sofrer represálias. Encastelados, perdemos o sentido da solidariedade e da corresponsabilidade. Muros, eletrônicos, alarmes indicam que se perdeu a batalha para a violência e falta de senso de valores. Algum dia, no passado, erramos o caminho, tornando-nos uma sociedade atordoada. Reencontrar o fio perdido faz a diferença para que a luz no fim do túnel seja de esperança e não um trem em sentido contrário!

 
Postar um comentário