domingo, 19 de junho de 2011

A pedagogia da mata


Seu Ferreirinha é agricultor. Mora num pequeno município na zona da mata, no Nordeste brasileiro. Sempre gostou de acompanhar noticiários esportivos e, lá pelas tantas, resolveu unir o que gosta de ver na televisão com a sua realidade. Na pequena escola local, estavam matriculados cerca de cinqüenta crianças, entre os 6 e 14 anos. Ofereceu-se para orientá-las em práticas esportivas, especialmente no atletismo. A curiosidade foi reforçada pela vontade de conhecimento e levou à busca em livros e na Internet de conhecimento que o ajudasse a motivar seus pequenos seguidores.
E conseguiu. As cenas mostradas eram muito bonitas, nas corridas feitas por todo grupo, iniciando por aquecimento e alongamento de pequerruchos animados e dispostos a aceitar a provocação daquele “professor” que desejava dar algo de diferente para a sua gente. Mas havia uma surpresa especial: a própria filha, que se animou com o trabalho do pai e começou a frequentar competições locais e regionais, buscando, na corrida, um jeito de fugir ao mesmismo que o meio lhe proporcionava.  A retribuição se deu nas inúmeras medalhas conquistadas, enchendo-a de orgulho, assim como seu treinador.
O desafio, agora: construir, no meio do mato, um simulacro de pista, em conformidade com as normas da Federação Internacional de Atletismo. Segundo Ferreirinha, não faltará nada. Embora não seja o mesmo material oficial, o que estiver disponível na mata ajuda os pequenos a treinar próximo do que enfrentarão em competições oficiais.
A filha deu um depoimento emocionado a respeito do pai que mudara a própria vida, assim como a das crianças daquela localidade. O pai mostrava-se orgulhoso de ter uma filha que fazia a exceção. Mais do que isto, construía um futuro com uma perspectiva até então inimaginável. Mas, o mais importante, ambos sabem do que a vida pode causar de percalços e foi lapidar a frase do Ferreirinha: “filha, tens tudo para conquistas bem maiores. Mas, no mínimo, serás uma grande mulher!” Pra que mais? De fato, um pai que soube entender qual é seu papel na vida da filha. Na sua simplicidade, uma lição digna de qualquer manual de pedagogia.
Postar um comentário