quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Entre a aurora e o ocaso

No final de semana passei por duas experiências interessantes: fui a Caxias do Sul e tive minhas primeiras "12 horas de babá", assim como estive no hospital Pompeia, onde boas lembranças fluíram. Em ambos os casos, a impressão era semelhante: entre a primeira infância e o tempo de aprender a se resguardar fisicamente o fio condutor é o mesmo: carinho, o direito de apenas ter uma mão que receba outra. Ou um olhar que acaricie em silêncio.
Meus sobrinhos Elisandro e Daniele trabalham na área da saúde, com horários desencontrados. Sempre que possível, alguém da família faz presença, especialmente para os momentos em que os dois trabalham. Com 9 meses, o pequeno Miguel já sabe até a hora em que os pais chegam e fica procurando a porta com a cabeça. Preparei-me para o pior quando tivemos que ficar sozinhos pela primeira vez durante duas horas. Engano meu: passamos um dia em que aprendi a esquentar mamadeira (mas não cheguei às fraldas - meu sobrinho chegou antes). Depois foi curtir o clima da serra em família.
No domingo, tive a chance de encontrar uma pessoa especial: padre Olavo Gasperin. Ele visitava familiares em Bento Gonçalves, quando teve uma queda séria. Conduzido ao hospital, precisou ficar em Unidade de Tratamento Intensivo. É um choque ver alguém que sempre foi dinâmico, orgulhoso do seu Grêmio, com um comentário brincalhão e sagaz na ponta da língua estar ali, com movimentos restritos, ligado a aparelhos, sem o seu toque pessoal de cuidados com o corpo e a aparência.
Entre ter o Miguel nos braços e poder segurar a mão do padre Olavo havia duas coisas em comum: a intensidade do olhar e a troca de carinho possível e necessário seja ao vislumbrar a aurora que se anuncia, ou quando nos preparamos para o ocaso, um tempo especial de amadurecimento na chegada da noite.
A fragilidade da infância e de uma idade mais avançada é um tempo privilegiado para eles saberem com quem podem contar entre os familiares e amigos. Para nós é o jeito que a natureza tem de dizer que é sempre tempo de aprendizado, até quando nos sentimos próximos da nossa finitude.
Tenho certeza que ambos ainda vão me ensinar muito. O Miguel vai crescer e ter um tio avô babão e amigo. Com o padre Olavo espero falar de futebol, bons textos e da boa música italiana. Dos dois vou guardar a lembrança de que num final de semana gelado ambos me disseram muito quando apenas procuraram minha mão, reforçado por um olhar, em silêncio, por onde passou uma torrente de palavras.
Postar um comentário