sábado, 21 de setembro de 2013

Budismo

Budismo é uma religião e filosofia que abrange uma variedade de tradições, crenças e práticas, baseadas nos ensinamentos atribuídos a Siddhartha Gautama, mais conhecido como Buda ("O Iluminado"). Buda viveu e desenvolveu seus ensinamentos no nordeste do subcontinente indiano, entre os séculos VI e IV a. C. Ele é reconhecido pelos adeptos como um mestre iluminado que compartilhou suas ideias para ajudar os seres a alcançar o fim do sofrimento, alcançando o Nirvana.
Através dos séculos, os ensinamentos foram transmitidos de professor a aluno por meio das diferentes linhagens de práticas. A pureza dos métodos se manteve porque os detentores dessas linhagens alcançaram realização e maestria das instruções recebidas. Mesmo o budismo sendo uma prática muito popular na Ásia, há dois ramos encontrados - a escola dos antigos e a escola reformadora. Os budistas no mundo são entre 230 e 500 milhões, tornando-o a quinta maior religião do mundo.
As escolas budistas variam sobre a natureza exata do caminho da libertação, a importância de vários ensinamentos e, especialmente, suas práticas. Entretanto, as bases das tradições e práticas são as Três Joias: O Buda (como seu mestre), o Dharma (ensinamentos baseados nas leis do universo) e a Sangha (a comunidade budista). Encontrar refúgio espiritual nas Três Joias ou Três Tesouros é, em geral, o que distingue um budista de um não-budista. Outras práticas podem incluir a renúncia convencional de vida secular para se tornar um monge ou monja.
A lenda diz que Siddhartha conheceu a dúvida sobre o sucesso de seus objetivos ao confrontar um demônio chamado Mara, que simboliza o mundo das aparências, representado por uma cobra naja. Segundo a lenda, Mara teria oferecido o nirvana à Sidarta, contudo ele teria percebido que isso o levaria a se distanciar do mundo e o impediria de transmitir seus ensinamentos adiante. Assim, por volta dos quarenta anos, Sidarta se transformou no Buda, o Iluminado, atraindo um grupo de seguidores e instituiu uma ordem monástica. A partir de então, passaria seus dias ensinando, viajando por toda a parte nordeste do subcontinente indiano. Ele sempre enfatizou que não era um deus e que a capacidade de se tornar um buda pertencia ao ser humano. Faleceu aos oitenta anos de idade, em 483 a. C., em Kushinagar, na Índia.
No budismo, o Carma (do sânscrito, "ação") é a força sobre alguém. Boas ações, e/ou ações ruins geram "sementes" na mente, que virão a aflorar nesta vida ou em um renascimento subsequente. Com o objetivo de cultivar as ações positivas, o sila é um conceito importante do budismo, geralmente, traduzido como "virtude", "boa conduta", "moral" e "preceito". Renascimento se refere a um processo pelo qual os seres passam por uma sucessão de vidas. Entretanto, o budismo, natural da Índia, rejeita conceitos de "mente imutável", eterna, como é chamada no cristianismo e até mesmo no hinduísmo, pois, no budismo, existe a doutrina do anatta, sobre a inexistência de um "eu" permanente e imutável.
Samsara é o ciclo de existências onde reina o sofrimento e a frustração produzidos pela ignorância e conflitos emocionais. O samsara compreende os três mundos superiores (deva - seres sobrenaturais (vistos apenas com o terceiro olho), semideuses e seres humanos) e os inferiores (seres dos infernos e animais), julgados não por valor, mas em função da intensidade de sofrimento. Os budistas acreditam, em sua maioria, no samsara. Este, por sua vez, é regido pelas leis do carma: a boa conduta produz bom carma e a má alma produz carma maléfico. Os budistas interpretam o samsara não-esclarecido como um estado de sofrimento. Só nos libertamos do samsara se atingirmos o estado de aceitação, visto que sofremos por desejar coisas passageiras e alcançarmos o nirvana ou a salvação. (Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Budismo)
Postar um comentário