segunda-feira, 24 de abril de 2017

Baleia azul: um jeito perverso de iludir

Na vida, há brincadeiras... e brincadeiras. Só  que o jogo “baleia azul” não  é  uma brincadeira, mas um crime. Que existem espaços  de entretenimento nas redes sociais de gosto duvidoso, existem. O problema está  na capacidade da criança em fazer o discernimento do que é bom ou a tentação em burlar a segurança que os responsáveis deveriam ajudar a estabelecer e observar.
Estes produtos de imaginação criminosa apelam para o sentimento de solidão, apatia e a insegurança própria de quem, mais do que passar para trás o controle de adultos, não encontrou uma referência que lhe desse a segurança necessária para entender os limites da própria liberdade.
Num destes “programas” de cuidar de sobrinhos, chamou a atenção desenho do “Bita” em que uma nave (objeto de adulto) precisa da imaginação (que se convencionou ser infantil) como combustível para voar. Analogia perfeita: um desenvolvimento consciente e equilibrado depende da criança  ampliar sua capacidade de sonhar e do que os adultos ajudam a construir no período de formação da personalidade.
Incentivar a imaginação  não  é  fugir da realidade. A fuga tem como resultado uma vida triste e deprimida. A imaginação é o combustível para se projetar o futuro, em alguns casos, sair de um presente difícil, alimentando a esperança. Falhamos com estes jovens. Tornaram-se reféns  da amargura, não conhecem suficientemente suas famílias e as famílias não os conhecem. Assim como seus educadores.
Estes e outros jogos são  apenas a ponta de um iceberg. Sinalizam que alguma coisa anda errada e não  basta coibir o acesso às  redes sociais. É  necessário  reestabelecer as pontes e os caminhos que, em algum momento, ruiram. A  mãe de uma garota reconheceu: obstáculos  foram sendo colocados de ambas as partes. "Nenhuma de nós teve coragem de ser a primeira a estender a mão". Ou dar o primeiro beijo.
Os cristãos  repetem que o primeiro elo a ser restabelecido é o da família, onde se recebe carinho e uma palavra de atenção, suficiente para saber que não se está  só. O diferencial para não se sentir deprimido ou buscar aventuras solitárias, que, no jogo "baleia azul", em alguns casos, chegou à mutilação e perda da própria vida.
Um alerta preocupante de que, na omissão dos educadores (família, escola), outros ocupam estes espaços num jeito perverso de iludir. Pior do que ser enganado e sentir isto na própria pele - para o jovem e criança - é não vislumbrar no seu horizonte algo que o faça feliz. E alguém que lhe estenda a mão. Pelo simples fato de que o ama.
Postar um comentário