domingo, 20 de março de 2016

Pedro: o Mundo era sua estrada

A Semana Santa tem uma série de personagens que merecem atenção quando se acompanha a jornada marcante que vai da chegada de Jesus a Jerusalém - Domingo de Ramos - passando por um tempo de tristeza e consternação vividos na noite de quinta e ao longo de toda a sexta-feira, com a prisão e morte; e a alegria de Seus seguidores ao se confirmar a profecia: no Domingo de Páscoa, Jesus ressuscitou!
O Ano Litúrgico da Igreja Católica tem no Evangelho de Lucas a preocupação em iluminar a História e suas reflexões. Escrito cerca de 30 anos depois da morte de Jesus, Lucas conversou longamente com São Pedro até completar o quadro dos sentimentos, reações e tristezas por aqueles últimos momentos. Pedro, fiel a Jesus, em muitos momentos, teve arroubos emocionados, o que não impedia que precisasse ser chamado de volta à realidade. Pois foi exatamente ele que traiu o Mestre: a frase "não conheço este homem" foi repetida três vezes em uma longa noite de vigília.
O homem tosco da beira do Mar da Galiléia já mostrava a sensibilidade para ser quem dirigiria o Cristianismo nascente. Mas haviam dores e marcas que o tempo e as suas novas vivências não conseguiriam apagar: em especial, o fato de ter negado Jesus, o galo cantar e, voltando-se, encontrar o olhar daquele que o convencera da nova missão com uma frase simples: "vinde a mim e Eu vos farei pescadores de homens!"
Passados os eventos em Jerusalém, restava um grupo desnorteado. Era preciso fazer alguma coisa. Pedro é prático: "vou pescar". Precisava do silêncio das águas e da largueza de seus horizontes. Enquanto a lide com o barco, as redes, organizar seus homens, recolher o pescado ocupavam seu tempo, seu pensamento fazia o percurso de três anos intensos. Não havia mais como ser o mesmo.
No final da tarde, sentado nas areias que conhecia tão bem, pensou em voltar para a vida simples entre a pesca, amigos e família. Mas a lembrança do Galileu o incomodava: depois do primeiro contato, todo o seu mundo se transformara. Crescera com a certeza de que Javé era Deus e era um deus terrível! Mas Jesus mostrou que não era bem assim, até o chamava de "Paizinho". Repetiu a palavra: "Paizinho", soava tão bem, era mais agradável do que tratar com um deus vingativo! Um ciclone chamado Jesus passara em sua vida e nada mais seria como antes.
Ainda não se falava em Cristianismo (chamavam de Seita do Caminho), tendo Pedro como pastor e Paulo como grande estrategista. Mas já se sabia que Pedro aprendera as lições básicas: não era apenas reunir aqueles que se dispersaram. O norte, agora, estava na missão: "ide e fazei discípulos de todas as nações". Não havia mais o que pensar. O Mundo era a sua estrada. E era longa! A Eternidade seria a sua recompensa.
Postar um comentário