sábado, 28 de agosto de 2010

Filhos do coração

A Lígia Antunes enviou a história do escritor Leo Buscaglia: “Os alunos da professora de primeira série estavam examinando uma foto de família. Uma das crianças tinha os cabelos de cor bem diferente dos demais. Alguém sugeriu que ela tinha sido adotada. Logo uma menina falou: - Sei tudo sobre adoção, porque eu fui adotada. Outro aluno perguntou: - O que significa "ser adotado"? - Significa - disse a menina - que você cresceu no coração de sua mãe, e não na barriga!”
Foi do que me lembrei quando estava sendo atendido num serviço por uma senhora que atendeu o celular. Logo seu rosto se transformou emocionada. Falavam a respeito de um sobrinho que viera conhecer a ela e à irmã, já que o pai e a mãe biológicos não existem mais. A então criança foi entregue para adoção e a família deixou Pelotas e nunca mais voltou. No entanto, quando soube de sua história, quis conhecer seus parentes. Quase às lágrimas, a tia agradecia pelo jeito como o rapaz havia sido formado, tendo sido respeitoso e carinhoso para com elas, mas demonstrando uma devoção que transparecia no olhar cada vez que falava da família que o acolheu.
Acompanhei muitas campanhas que buscam um lar para crianças que não têm como permanecer com seus familiares. As dificuldades são muitas, pois adotar alguém é considerado um tiro no escuro: no que pode dar? No entanto, aqueles que aceitaram o desafio dizem que valeu cada um dos sacrifícios. Lembro de uma família que recebeu uma criança com Síndrome de Down e da mãe que aceitou uma menina com problemas cardíacos. No primeiro caso, os pais dizem que depois que os outros filhos cresceram e se foram, restou uma companhia amiga e solidária. No segundo, foram anos tentando vencer a doença que finalmente ganhou.
Nas duas histórias, cada momento foi vivido como único. Na solidariedade do tempo que passa, assim como na mãozinha que pela última vez foi estendida para agradecer o afago que diminuía a dor, estava a certeza de que não haviam sido gestadas na barriga. Foram e continuarão sendo filhos do coração.
Postar um comentário