terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Contraditórios

Quando falo a respeito do quanto somos "contraditórios" no nosso modo de existir, durante palestras sobre "comunicação pessoal", sempre há um olhar de ceticismo ou, até mesmo, de deboche. Começa pelo fato de, tratando de comunicação, pensar que esta possa ser pessoal: "ora, como é que eu vou me comunicar comigo mesmo?" Pois é, na verdade, sempre temos necessidade de que, além de preparar bem o nosso corpo para este processo, também azeitemos nosso espírito, seja pela meditação, oração, leitura, ouvir música etc.
Pois o contraditório fica por conta de que não somos nenhuma unidade absoluta entre o que dizemos e o que vivemos. Querem um bom exemplo? São muitos aqueles que adoram programas de saúde através da televisão. Aqueles quadros em que comidas politicamente corretas são preparadas, suplementos são sugeridos e atividades físicas são praticadas. Qual é o percentual dos que põem em prática o que viram pela televisão? Baixíssimo. A impressão que se tem é de que as pessoas assistem como quem purga seus próprios erros a respeito da sua qualidade de vida. Não fazem nada daquilo, mas ao menos assistiram e sentem-se menos culpadas.
Outro exemplo vem da economia: todos os dias algum crânio desta área recomenda que as pessoas não se joguem loucamente no consumo de bens, preferencialmente, que façam uma boa poupança para depois fazer a compra, tendo o direito a uma melhor escolha, pedir descontos, pechinchar da melhor forma. No entanto, apareceu aquele computador do sonho, ou aquela televisão que faltava na sala em "15 vezes sem juros"! Quem é que resiste?
Somos, sim, contraditórios. Não é nenhum grande defeito, quem sabe um dos pecados menores, com o qual precisamos aprender a conviver. Nem me animo a levar para outros lados, como religioso, político, educacional que, aí sim, a casa cai. Fiquemos nestes e já temos bastante matéria para fazer uma boa reflexão e, quem sabe, sentir que mesmo estando longe de sermos santos, o bom é que, a cada dia, aperfeiçoemos a capacidade de sermos humanos.
Postar um comentário